Meu fim de semana cultural

Solene Costa

Espetáculo Beco do Mijo. Foto por Ramon Aquim

Comecei na sexta-feira, 25, assistindo o espetáculo ‘O Beco do Mijo’, excelente o retrato da luta das mulheres, que conseguem enfrentar as mazelas sem perder a beleza. Como foi construída nossa história recente e sua migração. Os atores estão esplêndidos, a simbiose com o público é maravilhosa. Essa não é um a peça estática: você platéia? É também um personagem. (Veja aqui fotos da apresentação)

No sábado estive no batizado do grupo de Capoeira Senzala, onde teve apresentação de dança do ventre com um menino, um capoeirista que se descobriu na dança, em uma dança “para mulheres”. Enfrentou o preconceito e deslizou pelos salões da coragem. Eles também encenaram um espetáculo forte, contextualizaram a luta dos negros, sua fé e como driblavam a dor e a luta de forma inteligente, conseguindo manter suas origens africanas. A arte foi a forma de preservar a cultura e acalentar a alma.

Acabei minha noite assistindo o espetáculo “Sete Ventos”, simplesmente lindo! Tocante, saí emocionada. Chorei, sorri, mas acima de tudo compreendi ainda mais o sentido da palavra “indignada”. Débora Almeida revelou-se para mim uma grande atriz. Na peça, ela interpreta vários personagens, muda a voz, a postura física e a personalidade. Abordou o racismo, o machismo e a miséria vivida, digna da ” Cultura Arte”, dos belos espetáculos, daqueles que nos tiram o ar e nos fazem entender que o amor sempre é um “ato político”.

Domingo foi dia de ir ao Parque Capitão Ciríaco, vivenciar o projeto “Arte de Ser”, que trabalho magnífico que o psicólogo Fabiano Carvalho realiza, o amor transborda. Saí transpirando afeto. Passei pelo Mercado Velho e de lá fui correndo contar para as amigas: Rio Branco tem de tudo e de tudo um pouco, mas o que mais se vê é amor.

Solene Costa – Nasceu em Chapecó (SC) e adotou Rio Branco (AC) como sua terra há 17 anos. É formada em Direito pela Uninorte. Atualmente trabalha como chefe de gabinete da Fundação Municipal de Cultura Garibaldi Brasil (FGB), onde desenvolve o projeto ‘Diálogos com a Cultura’, que leva artistas e fazedores de cultura para um bate-papo com a comunidade e servidores públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *